APOSENTADORIA ANTECIPADA

Deputados aprovam PLC que concede benefício a servidores estaduais com deficiência

De autoria do Poder Executivo, matéria foi sugerida pelo Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Roraima
Foto: Eduardo Andrade
Presidente Soldado Sampaio e o deputado Evangelista Siqueira receberam o defensor público

Compartilhe:

Por Suzanne Oliveira

Os deputados aprovaram nesta terça-feira (7), por 17 votos, o Projeto de Lei Complementar (PLC) 14/2022, que regulamenta a aposentadoria especial de servidores estaduais com deficiência, dando a eles o direito de se aposentarem mais cedo.

“É uma lei de grande relevância, para que o Iper possa criar o direito à aposentadoria especial aos servidores públicos com deficiência. Éramos um dos últimos estados que não tinham legislação pertinente ao assunto. Então, é justo, legítimo e necessário dar prioridade aqui no Legislativo”, destacou o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Soldado Sampaio (Republicanos).

De autoria do Poder Executivo, a matéria foi sugerida pelo Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Roraima (Coede-RR). A elaboração da lei foi feita em parceria com o Instituto de Previdência do Estado (Iper) e a Casa Civil, em 2018.

Conforme o Governo de Roraima, até então, não vigorava no Estado nenhuma lei que disciplinasse a referida aposentadoria e, por isso, a necessidade da regulamentação suplementar da matéria, por parte do Executivo, já que a competência para legislar a respeito cabe à União.

“Parabéns ao Governo do Estado, ao Coede, à Defensoria Pública, que abraçaram essa causa, e aos demais deputados aqui presentes. Isso também criará um efeito cascata aos servidores públicos dos municípios, que buscarão regulamentar as suas previdências”, complementou Sampaio.

Outros parlamentares parabenizaram o Poder Executivo pela iniciativa.

“Entendemos a importância desse projeto, desse reconhecimento, de cada servidor com mobilidade reduzida. Isso mostra que o governo está realmente preocupado com os servidores. E, agora, fazermos valer esse direito, para mim, como servidor público, é, mais uma vez, motivo de orgulho e satisfação”, afirmou Nilton Sindpol (Patriota).

“Queria agradecer por fazer parte dessa comissão. Estamos à frente com projetos de relevância, para que as pessoas se sintam acolhidas, se sintam parte da sociedade. As pessoas com deficiência precisam desse olhar diferenciado, desse apoio do Poder Público, e esta Casa tem contribuído e feito sua parte”, frisou a deputada Yonny Pedroso (PL).

Conforme a lei, a pessoa com deficiência é aquela que tem impedimentos, a longo prazo, de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com outras pessoas.

Após sancionada, a matéria beneficiará quase 1,2 mil servidores em Roraima. O tempo de contribuição será concedido conforme o grau de deficiência, que pode ser leve, moderada e grave.

Veja as novas condições para a concessão de aposentadoria ao servidor com deficiência:

– aos 23 anos de tempo de contribuição, se homem, e 20 anos, se mulher, em casos de deficiência grave;

– aos 27 anos de tempo de contribuição, se homem, e 24 anos, se mulher, em casos de deficiência moderada;

– aos 31 anos de tempo de contribuição, se homem, e 28 anos, se mulher, em casos de deficiência leve;

– aos 60 anos de idade, se homem, e 55 anos, se mulher, independentemente do grau de deficiência, desde que cumprido tempo mínimo de contribuição de 15 anos e comprovada a existência de deficiência durante igual período.

Reunião

Antes de a matéria ser colocada em votação, Soldado Sampaio e o deputado Evangelista Siqueira (PT) receberam o defensor público geral em exercício, Oleno Matos, e representantes do Coede, que apresentaram, para apreciação da Casa, alterações no documento.

“É uma vitória para o segmento. Discutimos sobre a necessidade de celeridade para a aprovação. Estarei como relator do PL e vou dar a devida agilidade, porque é uma causa que já foi discutida amplamente com o conselho, e nos cabe agora tramitar e aprovar para que logo possa ser realidade e lei em amplo vigor em Roraima”, destacou Siqueira.

Para o presidente do Coede, Jean Martins, que estava confiante na aprovação, tanto o projeto quanto a votação significam uma conquista.

“A pessoa com deficiência grave, cuja perspectiva de vida é menor do que uma pessoa dita ‘normal’, fica prejudicada ao contribuir durante 30 anos. Então, esse projeto de lei vem corrigir isso, vai equiparar esse direito e garantir a ela que, no final do seu serviço prestado ao Estado, possa gozar da sua aposentadoria com saúde ainda”, detalhou Martins.

Conforme Oleno Matos, membro do Coede, os parlamentares garantiram a agilidade na votação do texto.

“Hoje, recebemos a garantia de que a Casa do Povo dará a celeridade que esse projeto merece. Ele já foi devidamente analisado, por parte do Governo do Estado, Iper, Secretaria de Planejamento [Seplan], Secretaria de Fazenda [Sefaz], Procuradoria-Geral do Estado [Proge] e, hoje, está aqui na Assembleia Legislativa, para ser votado e sancionado ainda este mês”, informou Matos.

Coede

O Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Roraima foi instituído pela Lei 1.183 de 18 de maio de 2017, sendo um órgão superior de deliberação colegiada e de natureza permanente. Seus principais objetivos são a defesa e a proposição de políticas públicas, programas e ações voltadas à validação da garantia dos direitos e da inclusão da pessoa com deficiência.

Leia também:

Pesquisa sobre mídia cívica indica ruptura com conceitos tradicionais

Postado em 16 de junho de 2024

Polícia Civil participa de operação nacional de proteção ao Meio Ambiente

Postado em 16 de junho de 2024

TERAPIA E RENDA EXTRA Alunos concluem curso de pintura em tecido na Escolegis do bairro Santa Luzia | ALE-RR

Postado em 15 de junho de 2024

Comissão aprova licença-maternidade de 180 dias para bombeira e policial – Notícias

Postado em 15 de junho de 2024