Advocacia-Geral da União adere ao Selo de Igualdade de Gênero para Instituições Públicas — Agência Gov

Divulgação/Fonte

Compartilhe:

 

Em cerimônia que marcou o Dia Internacional das Mulheres, celebrado nesta sexta-feira (08/03), a Advocacia-Geral da União (AGU) assinou a adesão ao Selo de Igualdade de Gênero para Instituições Públicas do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Com a adesão, a AGU se compromete a seguir uma série de indicadores de equidade, elaborados a partir de compromissos nacionais e internacionais sobre a igualdade de gênero nas instituições, como a Conferência Mundial da Mulher (Beijing 1995) e a Convenção pela Eliminação de Todas as Formas de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (CEDAW).

A iniciativa também está alinhada à Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU), que traz a igualdade de gênero entre seus 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). O ODS nº 5 prescreve como meta “Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas”.

A assinatura da adesão ao Selo foi feita pelo advogado-geral da União, Jorge Messias, e o representante do PNUD no Brasil, Claudio Providas, durante o evento Mulheres em Foco, realizado pela AGU em Brasília.

 

O advogado-geral da União assina adesão ao Selo de Igualdade de Gênero

“Nós temos 50% da Casa [da AGU] ocupada por líderes mulheres nas principais funções dos órgãos de direção. Isso não é obra do acaso, isso é uma opção política. Nós decidimos dar o poder e o espaço para que as mulheres ocupem”, ressaltou Jorge Messias.

“O presidente Lula, quando ele foi eleito e tomou posse, pediu a cada ministro dele que deem o espaço que as mulheres precisam ter, e o espaço que elas precisam ter nós temos que criar as condições para que elas ocupem”, concluiu o advogado-geral.

Ações contra feminicídio

O evento também contou com a assinatura, pelo advogado-geral da União, de uma das petições das 54 ações regressivas previdenciárias contra autores de crimes de feminicídio , que foram apresentadas nesta sexta-feira à Justiça.

Por meio das ações, a AGU vai cobrar um total de R$ 12,4 milhões em pedidos de ressarcimento ao erário. A quantia corresponde ao custo estimado que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) terá com o pagamento de benefícios de pensão por morte aos dependentes das vítimas.

Igualdade nos cargos de chefia

Entre as ações para marcar o Dia Internacional da Mulher, também esteve a assinatura da portaria da Procuradoria-Geral Federal (PGF) para incentivar a igualdade de gênero nas funções de direção do órgão. A PGF é o órgão da AGU que atua na representação das entidades da administração indireta do governo federal, como autarquias e fundações públicas.

Equidade, tributos, sustentabilidade

Na abertura do evento Mulheres em Foco, dirigentes da AGU participaram de um painel sobre equidade de gênero e sua interseção com diversos temas, como desenvolvimento sustentável e o sistema tributário.

A procuradora-geral da Fazenda Nacional, Anelize de Almeida, destacou que a equidade de gênero deve estar presente também nas discussões do campo econômico e tributário.

“Se o sistema tributário é regressivo, e ninguém discorda disso, está no jornal, nos livros de direito tributário, no nosso cotidiano, ele é suportado pelos ombros das mulheres pobres e pretas. Se isso não incomodar qualquer um de nós, a gente tem um problema civilizatório, a gente tem um problema que é muito mais grave do que discutir reforma tributária”, ressaltou Anelize de Almeida.

“A gente tem trabalhado imensamente nisso, para que a tributação e para que todas essas reformas que o Ministério da Fazenda está implementando, está desenhando, está negociando, para que também tenha esse viés da equidade de gênero”, afirmou a procuradora-geral da Fazenda Nacional.

 

A procuradora-geral da Fazenda Nacional, Anelize de Almeida, fala durante o evento

Também participaram do painel a procuradora-geral Federal, Adriana Venturini, a secretária-geral de Consultoria da AGU, Clarice Costa Calixto, a secretária-geral de Administração da AGU, Elisa Malafaia, a procuradora-chefe da Procuradoria Nacional de Defesa do Clima e do Meio Ambiente, Mariana Cirne, a secretária-adjunta de Contencioso da AGU, Andrea de Quadros Dantas, a procuradora nacional da União de Políticas Públicas, Cristiane Curto, e a chefe da Divisão de Auditoria de Licitações e Contratos da AGU, Daiesse Jaala.

Também compuseram a mesa do painel a assessora especial de Diversidade e Inclusão da AGU, Claudia Trindade, e a chefe de gabinete do advogado-geral da União, Leila de Morais.

Por: Advocacia-Geral da União (AGU)




Fonte Notícias/imagens: Agência GOV da Empresa Brasil de Comunicação – EBC – Leia Mais

Leia também:

Livro sobre Boinas Azuis da ONU será lançado no STJ

Postado em 31 de dezembro de 1969

Assembleia Legislativa aprova leis em favor da saúde mental da população roraimense

Postado em 3 de janeiro de 2022

Assembleia Legislativa continua a serviço da população durante recesso parlamentar

Postado em 3 de janeiro de 2022

Centro de Convivência da Juventude da Assembleia Legislativa retoma atividades

Postado em 4 de janeiro de 2022