FAZENDO JUSTIÇA

Representante do Ministério da Justiça conhece Escritório Social em Roraima

A Assembleia Legislativa de Roraima é a única Casa Legislativa do Brasil que desenvolve esse trabalho de parceria com o Escritório Social do CNJ
Foto: Marley Lima
Coordenador de Políticas de Participação Social e Atenção ao Egresso em visita ao Escritório Social

Compartilhe:

Por Marilena Freitas

O coordenador de Políticas de Participação Social e Atenção ao Egresso do Departamento Penitenciário do Ministério da Justiça, Cezar Delmondes, visitou na tarde desta terça-feira (14) o Escritório Social do Programa Fazendo Justiça do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que em Roraima funciona com a cooperação da Assembleia Legislativa (ALE-RR), única Casa Legislativa no Brasil que desenvolve esse tipo parceria.
“O representante do Ministério da Justiça veio conhecer de perto o trabalho realizado pelo Escritório Social tendo a Assembleia Legislativa como parceira. Temos um corpo técnico treinado pelo CNJ para dar essa atenção devida ao egresso do sistema prisional, direcionando eles ao mercado de trabalho, o que é de grande relevância”, disse o presidente da Casa Legislativa, deputado Soldado Sampaio (Republicanos).
Delmondes veio conhecer como funciona na prática o programa e conversar com o chefe do Executivo para que seja implantado no âmbito do Estado, uma vez que essa é uma política pública de grande importância para a sociedade roraimense, porque reduz a resistência criminal e, consequentemente, os índices de criminalidade.
“Vamos formalizar as tratativas legais, que será por meio de um Termo de Convênio com o Estado de Roraima, com um aporte de aproximadamente de R$ 800 mil para o desenvolvimento dessa atividade em 24 meses, obedecendo os editais previstos e lançados pelo Departamento, com o apoio importante do CNJ”, explicou o coordenador.
A parceria com a ALE-RR, para o coordenador Delmondes, mostra a vontade da atuação da sociedade roraimense. “A importante iniciativa da Assembleia, que via de regra é feita pelo Executivo, mostra que quando os governos se integram o resultado é bom para a sociedade. O que vi aqui é boa vontade e trabalho acontecendo. A ideia é expandir essa política pública e colher mais bons frutos”, acrescentou.
O secretário de Justiça e Cidadania, André Fernandes, destacou que o governo entende que essa é uma política importante. “Sensível a essa situação, o governo quer trazer esse serviço para o Executivo”, explicou Fernandes.
A coordenadora do Escritório Social, Décima Rosado Maia, disse que o papel do escritório é acolher esse egresso que sai do sistema prisional, que recebe o suporte necessário para se reintegrar à sociedade.
“Damos para o egresso e toda a família dele o suporte jurídico, social, psicológico, educacional. Colocamos os familiares no Programa Família que Acolhe, encaminhamos para o Sine [Sistema Nacional de Emprego], à Escolegis com os cursos profissionalizantes e preparatórios. Temos aqui egressos que estão cursando faculdade”, contou.
Para Décima, os egressos precisam de uma oportunidade para que a reinserção na sociedade aconteça na prática. “Não existe bandido, existem pessoas que não tiveram oportunidade na vida e que nada foi feito por elas. Depois que saem, ele deixa de ser reeducando, o que interessa é daqui para frente”, ressaltou.
Décima enfatiza que o suporte da Assembleia é fundamental para o funcionamento do Escritório Social. “A Assembleia Legislativa foi quem ‘abraçou’ o escritório em 2019, dando todo o suporte. O atual presidente não mede a distância para atender nossas demandas”, acrescentou.
A assistente administrativa no Escritório Social, Raquel de Paula Souza, 41 anos, egressa do sistema, é o exemplo de que o trabalho realizado é benéfico.
“Fui amparada em 2019 pelo Escritório Social do CNJ e de lá para cá não pararam os acompanhamentos. Aqui tive capacitação e a oportunidade de contribuir com a sociedade. Todos merecem uma oportunidade, mas temos também que nos esforçar. Acredito plenamente na mudança do ser humano quando ele busca isso. Na medida que ele se esforça, Deus e o Universo vão ajudando”, disse Raquel.

Leia também:

Pesquisa sobre mídia cívica indica ruptura com conceitos tradicionais

Postado em 16 de junho de 2024

Polícia Civil participa de operação nacional de proteção ao Meio Ambiente

Postado em 16 de junho de 2024

TERAPIA E RENDA EXTRA Alunos concluem curso de pintura em tecido na Escolegis do bairro Santa Luzia | ALE-RR

Postado em 15 de junho de 2024

Comissão aprova licença-maternidade de 180 dias para bombeira e policial – Notícias

Postado em 15 de junho de 2024