HUMANIZAÇÃO

Projeto de lei determina que exames em vítimas de violência sejam feitos por médicas

Medida garante sigilo e mais conforto para mulheres atendidas no IML de Roraima
Foto: Alfredo Maia

Compartilhe:

Por Yasmin Guedes

O Plenário da Assembleia Legislativa de Roraima aprovou nesta terça-feira (12), com 14 votos, o Projeto de Lei (PL) nº 173/2020, proposto pela deputada Betânia Almeida (PV), que determina que o exame de lesão corporal e/ou sexológico em vítimas de violência seja feito por uma médica perita. A medida deve contemplar mulheres da comunidade LGBTQIA+.

A autora do PL iniciou a defesa da proposta com um questionamento. “A principal pergunta que eu faço é por que os exames em mulheres vítimas de violência devem ser feitos por pessoas do sexo feminino? Eu respondo: vergonha define o sentimento da mulher violada em seus direitos”, disse Betânia. Ela revelou que ao se deparar com um homem na hora da perícia, a vítima relembra a figura singular do agressor.

O deputado Jorge Everton (União) compartilhou a experiência de delegado da Polícia Civil. “Já presenciei vários casos de mulheres espancadas, molestadas e é constrangedor”. Ele ressaltou que no interior do Estado, onde não há unidade do IML (Instituto Médico-Legal), as vítimas são encaminhadas para o hospital mais próximo.

Outro relato partiu da deputada Angela Águida Portella (PP). Quando presidiu a Comissão Permanente de Defesa da Mulher, da Criança, do Adolescente e Ação Social, uma família indígena evangélica relatou que houve constrangimento quando a matriarca, ao morrer, teve o corpo exposto a um médico-legista. “Por essa situação passam crianças, adolescentes e idosos”, frisou.

O intuito do PL é reduzir o constrangimento de mulheres em situação de vulnerabilidade social. Caso não haja uma profissional disponível, o IML disponibilizará uma funcionária para acompanhar o médico-legista durante o atendimento.

Também está previsto no PL o encaminhamento da mulher vítima de estupro para atendimento psicológico especializado público e assistência social para que sejam adotadas as medidas de recuperação da saúde mental da agredida.

Leia também:

Livro sobre Boinas Azuis da ONU será lançado no STJ

Postado em 31 de dezembro de 1969

Assembleia Legislativa aprova leis em favor da saúde mental da população roraimense

Postado em 3 de janeiro de 2022

Assembleia Legislativa continua a serviço da população durante recesso parlamentar

Postado em 3 de janeiro de 2022

Centro de Convivência da Juventude da Assembleia Legislativa retoma atividades

Postado em 4 de janeiro de 2022