‘Educar é Prevenir’

Projeto de combate ao tráfico de pessoas retoma atividades em agosto

Foco são escolas da rede pública de ensino, uma vez que adolescentes são alvo preferido dos aliciadores
Divulgação/Fonte

Compartilhe:

O “Educar é Prevenir”, do Programa de Defesa de Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR), vai retomar as atividades em agosto. Até novembro, quatro escolas da rede estadual de ensino serão atendidas pelo projeto, conforme informou o coordenador, Glauber Batista.

O projeto ficou suspenso durante dois anos devido à pandemia, haja vista que a metodologia de trabalho reúne as pessoas numa roda de conversa e pode causar aglomeração, o que chegou a ser proibido pelas autoridades de saúde para evitar a proliferação de covid-19.

Serão visitadas pelas equipes as escolas estaduais Professora Maria das Dores Brasil, Pastor Fernando Granjeiro de Menezes, Vanda Davi Aguiar e 13 de Setembro. As datas, conforme detalhou Batista, estão sendo ajustadas com cada unidade de ensino.

O Educar é Prevenir foi criado em 2017 e tem como foco os adolescentes dos estabelecimentos escolares tanto da capital quanto do interior, que fazem parte da faixa etária alvo dos aliciadores.

“E por que o foco são eles? Porque os relatórios sobre os quais tivemos conhecimento mostram que aqui em Roraima, por fazermos fronteira com dois países e termos divisa com o Amazonas, o índice de aliciamento é muito alto para fins de tráfico humano, escravidão, exploração sexual de crianças e adolescentes. É considerada uma das maiores rotas do Brasil para o exterior. Além disso, temos os garimpos. Então a meta é atingir com a prevenção o maior número de alunos”, explicou o coordenador.

O projeto já atendeu 33 escolas, sendo a maioria na capital, e o restante nos municípios de Pacaraima e Bonfim, que fazem fronteira com a Venezuela e República da Guiana, respectivamente.

As escolas dos municípios de Rorainópolis e Caracaraí também foram contempladas. Ambos ficam localizados às margens da BR-174, via de acesso ao Amazonas, única rodovia que é porta de entrada para Roraima.

O projeto inicialmente realiza uma capacitação para os docentes e discentes da escola. “No primeiro dia, entregamos o material, banner e informativos. Nos dias seguintes, capacitamos do porteiro ao gestor. E no último, fazemos uma roda de conversa com os alunos, com a participação da rede de proteção. Convidamos autoridades policiais estaduais e federais e do judiciário, quando se relatam as experiências sobre o tráfico de pessoas, momento em que tiramos as dúvidas dos alunos”, concluiu Glauber Batista.

Texto: Marilena Freitas
Foto: Jader Souza/ e Arquivo SupCom
SupCom ALE-RR – 1º.08.2022

Leia também:

Pesquisa sobre mídia cívica indica ruptura com conceitos tradicionais

Postado em 16 de junho de 2024

Polícia Civil participa de operação nacional de proteção ao Meio Ambiente

Postado em 16 de junho de 2024

TERAPIA E RENDA EXTRA Alunos concluem curso de pintura em tecido na Escolegis do bairro Santa Luzia | ALE-RR

Postado em 15 de junho de 2024

Comissão aprova licença-maternidade de 180 dias para bombeira e policial – Notícias

Postado em 15 de junho de 2024