Cultura e Saúde se unem para criação do Memorial da Pandemia de Covid-19 — Agência Gov

Divulgação/Fonte

Compartilhe:

 

Para lembrar a dimensão da pandemia da Covid-19, que tirou a vida de mais de 700 mil pessoas no Brasil e estimular a reflexão sobre a importância da ciência e do Sistema Único de Saúde (SUS), o Ministério da Saúde promoveu, nesta segunda (11), o seminário para concepção e criação do Memorial da Pandemia de Covid-19, que será implementado com o apoio do Ministério da Cultura (MinC). A atividade acontece, exatamente, quatro anos após a declaração de estado de pandemia em relação ao coronavírus pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Com a participação de autoridades do governo federal, gestores de políticas públicas de saúde e cultura, parlamentares, representantes da ciência, de instituições de pesquisa e da sociedade civil, o evento segue até terça-feira (12), quando ocorrerá a assinatura de um Memorando de Entendimento entre as duas pastas para a concretização dessa parceria. A expectativa é que o Memorial seja instalado no Centro Cultural do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro.

Segundo a ministra da Saúde, Nísia Trindade, as duas pastas têm o desafio de criar uma política memória para todo o país. “Agradeço a todos que atenderam ao nosso chamamento para juntos pensarmos esse memorial. Sempre defendemos o encontro entre a saúde e a cultura. É preciso pensar a saúde como parte da cultura”, afirmou. A ministra lembrou ainda a importância de se debater nesse processo aprendizados que contribuam para o fortalecimento do Sistema Único de Saúde e da democracia. “Só um sistema potente e resiliente pode fazer frente a possíveis futuras pandemias. Ao falamos do memorial, falamos da importante relação entre memória e história. Não circunscrevemos ao passado, mas pensamos também em que projeto nós queremos para a saúde, para o Brasil, para a democracia e para o mundo”, finalizou.

.

A secretária de Cidadania e Diversidade Cultural (SCDC) do MinC, Márcia Rollemberg, destacou que esse projeto permitirá a preservação da história recente. Na ocasião, também homenageou o escritor Aldir Blanc e o ator Paulo Gustavo, vítimas da pandemia e que inspiraram as atuais leis de financiamento da cultura no país. “O Memorial nos faz pensar, refletir e lembrar de tudo o que vivemos. Não foi fácil o que vivemos. Essa iniciativa materializa a recente história, traduz a dimensão simbólica das profundas perdas e sequelas que sofremos e ainda vivemos. Se apresenta como um ato de respeito, de solidariedade, como um permanente alerta”, disse emocionada. E completou: “Todos nós poderemos refletir sobre o significado da pandemia para o país e para o mundo, o papel e a resposta da ciência à pandemia, a ciência que viveu e ainda vive o negacionismo, o direito do acesso à informação e a comunicação em saúde”.

Já na avaliação da presidenta do Instituto Brasileiro de Museu (Ibram), Fernanda Castro, o memorial também será um espaço de educação cidadã. “Trazer memórias, mesmo que traumáticas, é muito importante para que a gente trabalhe na educação da população, uma educação científica, cidadã e que visa construir a democracia. Ter esse memorial vai ser muito importante para a gente seguir adiante. É, na verdade, uma ferramenta de construção da cidadania e de fortalecimento da democracia”, explicou.

A pandemia deixou marcas de profundo sofrimento na população brasileira. De acordo com a representante da Rede Nacional das Entidades de Familiares e Vítimas da Covid, Rosângela Dornelles, o memorial terá um papel crucial para recompor a verdade sobre essa tragédia e na reparação de suas consequências. “A construção coletiva desse espaço para homenagem às vítimas, aos profissionais de saúde e à sociedade civil que atuou no enfrentamento à pandemia será um elo para conscientização dos novos parâmetros educacionais, científicos e de controle social. Surge uma nova esperança de responsabilização daqueles que deixaram acontecer e que promoveram maiores consequências da pandemia. Precisamos escutar as vítimas para termos a noção necessária da dor que ficou em todos nós”, salientou.

Criação do Memorial

De acordo com o Ministério da Saúde, um edital público vai mobilizar artistas, arquitetos e outros profissionais a se engajem na proposta. No futuro, o memorial deverá abrigar, em suas instalações, uma exposição de longa duração que relate todos os episódios marcantes da pandemia, desde as primeiras notícias ao lockdown , os estudos científicos para o conhecimento do vírus e as mortes, mas também os momentos de êxito e descoberta como as primeiras vacinas, o mapeamento genético do vírus, as ações de solidariedade para disseminação das melhores práticas sanitárias e do combate à fome e ao desemprego, até o avanço das soluções digitais para iniciativas médicas, sociais e culturais.

Será um espaço de superação, de destaque da ciência, da força do SUS, de solidariedade e uma oportunidade de estimular a reflexão dos visitantes sobre a saúde. A ideia é que o Memorial da Pandemia de Covid-19 seja um museu vivo e em constante mutação.

Por: Ministério da Cultura




Fonte Notícias/imagens: Agência GOV da Empresa Brasil de Comunicação – EBC – Leia Mais

Leia também:

Livro sobre Boinas Azuis da ONU será lançado no STJ

Postado em 31 de dezembro de 1969

Assembleia Legislativa aprova leis em favor da saúde mental da população roraimense

Postado em 3 de janeiro de 2022

Assembleia Legislativa continua a serviço da população durante recesso parlamentar

Postado em 3 de janeiro de 2022

Centro de Convivência da Juventude da Assembleia Legislativa retoma atividades

Postado em 4 de janeiro de 2022