AGOSTO LILÁS

Audiência pública na Assembleia Legislativa discute Lei Maria da Penha

Evento pretende conscientizar população sobre avanços e desafios da lei e situação da violência contra a mulher em Roraima
Divulgação/Fonte

Compartilhe:

Para debater os avanços e desafios da Lei Maria da Penha, a Procuradoria Especial da Mulher, da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR), promove nesta quinta-feira (18) uma audiência pública em alusão ao “Agosto Lilás”, a partir das 15h, no Plenário Deputada Noêmia Bastos Amazonas. A campanha visa, anualmente, refletir sobre o enfrentamento da violência e discutir a Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006) que, em 2022, completou 16 anos.

“Nós estamos no Agosto Lilás, mês de divulgação da Lei Maria da Penha. O que queremos com essa audiência pública é mobilizar a sociedade e a rede de enfrentamento da violência doméstica”, explicou a procuradora especial da Mulher, deputada Betânia Almeida (PV).

Rompendo a lógica das ações criminais restritas aos agressores, a Lei 11.340/06 inovou na proteção à mulher ao conjugar iniciativas de proteção, punição e prevenção, que devem ser aplicadas de forma articulada entre os três Poderes.

Apesar dos avanços da legislação, a deputada destaca que eles ainda são tímidos frente à violência endêmica praticada contra a mulher no país. “É importante esse diálogo. Mesmo tendo uma das melhores leis do mundo, que é a Maria da Penha, o índice de violência doméstica e feminicídio ainda é muito grande em todo o Brasil”, disse.

Dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2022 revelam que, entre 2020 e 2021, a violência doméstica cresceu em Boa Vista. Conforme o levantamento feito pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o total de lesões corporais dolosas praticadas no ambiente familiar quase dobrou no período, passando de 472 em 2020 para 735 em 2021. Outro dado alarmante são os estupros. Roraima é o segundo no ranking deste tipo de crime.

A audiência também marca, neste 18 de agosto, o aniversário de 13 anos do Centro Humanitário de Apoio à Mulher (CHAME) do Poder Legislativo, que acolhe de maneira multidisciplinar – jurídica, social e psicológica – mulheres vítimas de violência doméstica e familiar no Estado.

A Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Roraima (OAB/RR), Casa da Mulher Brasileira (CMB), Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) e a Defensoria Pública, que são representantes da rede de combate à violência doméstica e familiar no Estado, foram convidadas para a audiência pública.

A população também poderá acompanhar o debate pelas redes sociais (@assembleiarr) ou pelo canal da TV Assembleia 57.3 e a Rádio Assembleia 98,3 FM.

Iluminação especial

O prédio da Assembleia Legislativa de Roraima ganhou iluminação lilás em referência à campanha que será mantida até 31 de agosto. O Agosto Lilás foi instituído com o objetivo de sensibilizar e conscientizar a sociedade sobre o necessário fim dessa chaga social e divulgar os serviços especializados da rede de atendimento à mulher em situação de violência e os mecanismos de denúncia existentes.

Maria da Penha

A Lei 11.340/06 carrega no nome a dor e o ativismo da incansável Maria da Penha, vítima de tentativa de feminicídio – homicídio quando o gênero, no caso a mulher, é determinante para o crime – pelo companheiro. Desde 1983, ela lutava na Justiça pela condenação do agressor que a deixou paraplégica.

Mesmo após dois julgamentos, o ex-companheiro saiu pela porta da frente do tribunal (1991/1996). Maria da Penha não desistiu. Em 1998, obteve reconhecimento internacional quando denunciou o caso à Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (CIDH/OEA).

Em 2001, a CIDH/OEA responsabilizou o Brasil por omissão estatal em relação à violência doméstica praticada contra as mulheres brasileiras, e fez uma série de recomendações para reverter o cenário de impunidade dos agressores e a falta de proteção, reparação e de dispositivos legais às vítimas.

Se precisar, Chame!

A população pode entrar em contato com o CHAME pelo ZapChame (95) 98402-0502, que funciona 24 horas por dia, incluindo sábados, domingos e feriados. As mulheres podem receber atendimento presencial em Boa Vista de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, na Avenida Santos Dumont, 1470, bairro Aparecida.

Já as moradoras de Rorainópolis e adjacências, podem buscar apoio no Núcleo da Procuradoria Especial da Mulher na Rua Senador Hélio Campos, sem número, BR-174. O atendimento multidisciplinar funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.

Texto: Suellen Gurgel
Fotos: Eduardo Andrade/ Marley Lima
SupCom ALE-RR
16.08.2022

Leia também:

Livro sobre Boinas Azuis da ONU será lançado no STJ

Postado em 31 de dezembro de 1969

Assembleia Legislativa aprova leis em favor da saúde mental da população roraimense

Postado em 3 de janeiro de 2022

Assembleia Legislativa continua a serviço da população durante recesso parlamentar

Postado em 3 de janeiro de 2022

Centro de Convivência da Juventude da Assembleia Legislativa retoma atividades

Postado em 4 de janeiro de 2022