VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Atendimentos registrados pelo Zap CHAME da Assembleia Legislativa crescem em 2022

De janeiro a março deste ano foram 133 atendimentos contra 80 registros no mesmo período do ano passado, um aumento de 60,15%
Foto: Marley Lima

Compartilhe:

Por Suzanne Oliveira

O número de atendimentos pelo Zap CHAME (95) 98402-0502, ferramenta disponibilizada pelo Centro Humanitário de Apoio à Mulher (CHAME), da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR) aumentou 60,15% de janeiro a março de 2022, comparado com o mesmo período do ano passado. Ao todo, foram 133 registros, 53 a mais do que em 2021, com 80 atendimentos.

Segundo a psicóloga do CHAME, Marcilene Melo, os atendimentos sobre violência doméstica, tais como a física e psicológica, são os mais recorrentes, entre vítimas a partir dos 17 anos de idade, até as mais idosas.

“A maior parte [dos agressores] são os companheiros. Mas a gente já recebeu também de pessoas ligadas à família, de filhos. A demanda não é muito grande de parentes próximos, mas, tem também de noras e outras mulheres, que convivem naquele ambiente familiar”, contou.

O CHAME realiza trabalhos de acolhimento, direcionamento e orientações jurídicas às mulheres vítimas de qualquer tipo de violência.
“Se for preciso, fazemos denúncias. Por exemplo, se a assistida estiver em casa e ela não consegue sair ou está com medo de ir à delegacia, nós acionamos daqui, via Zap CHAME, uma viatura que pode ir à casa dela, levá-la à delegacia”, informou.

De acordo com Marcilene, o número de casos de violência psicológica também é crescente. A profissional fala sobre os danos que este tipo de violência pode gerar nas vítimas.

“Ela acaba sendo uma das piores, porque diminui a autoestima da mulher, vem denegrir a sua imagem, gera consequências terríveis podendo levar a transtornos. E quando isso acontece, desencadeia uma série de problemas, porque ela vai estar com o emocional totalmente abalado. Então, cada cena que ela vivencia, vai trazer à tona, novamente, aquela situação que ela sofreu. Muitas mulheres acabam desenvolvendo síndrome do pânico, acarretando um nível de ansiedade exorbitante, podendo chegar a depressão e até mesmo o suicídio, que é uma forma de se sair dessa situação”, pontuou.

Ainda conforme Marcilene, o CHAME trabalha com uma equipe multidisciplinar, onde a vítima é orientada e encaminhada aos órgãos especializados para cada tipo de atendimento. “Não importa a idade. O que importa é que, se ela precisar [vítima], ela terá onde recorrer. Um lugar para ser assistida”, frisou.

Além do Zap CHAME (95) 98402-0502, que funciona 24 horas por dia, inclusive aos finais de semana e feriados, a equipe multidisciplinar do CHAME também realiza atendimento presencial no prédio da Procuradoria Especial da Mulher, que funciona na avenida Santos Dumont, 1470, bairro Aparecida, das 8h às 18h.

Leia também:

Livro sobre Boinas Azuis da ONU será lançado no STJ

Postado em 31 de dezembro de 1969

Assembleia Legislativa aprova leis em favor da saúde mental da população roraimense

Postado em 3 de janeiro de 2022

Assembleia Legislativa continua a serviço da população durante recesso parlamentar

Postado em 3 de janeiro de 2022

Centro de Convivência da Juventude da Assembleia Legislativa retoma atividades

Postado em 4 de janeiro de 2022