DIREITOS HUMANOS

Assembleia Legislativa vai participar de capacitação sobre assistência às vítimas de tráfico de pessoas

Parceria entre DPU e UNODC vai capacitar agentes do poder público e sociedade civil
Foto: Eduardo Andrade
Diretora do Programa de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania, Socorro Santos

Compartilhe:

Por Suellen Gurgel

O Programa de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania (PDDHC) da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR) vai participar da “Capacitação sobre Assistência às Vítimas de Tráfico de Pessoas e Direito das Pessoas Migrantes” promovida pela Defensoria Pública da União (DPU) e o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), nos dias 26 e 27 de maio, a partir das 9h, no Centro de Ciências Humanas (CCH) da Universidade Federal de Roraima (UFRR).

A parceria entre a DPU e a UNODC provê capacitação para agentes do poder público e sociedade civil dentro da temática de tráfico de pessoas e contrabando de migrantes por meio de troca de experiências, estudos e treinamentos. Pioneiro no acolhimento às vítimas de tráfico no Estado, o PDDHC levará a expertise na identificação, assistência e encaminhamento para a rede local de proteção.

“São seis anos trabalhando com esse tema. Então, vamos falar sobre como atendemos e de que forma mobilizamos e encaminhamos às vítimas para a rede de apoio [Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Rodoviária Federal, conselhos tutelares, agentes de proteção do Tribunal de Justiça]”, esclareceu a diretora do PDDHC, Socorro Santos.

Além disso, ela lembra que as peculiaridades – fronteira com a Guiana e a Venezuela, garimpo e a alta imigração de venezuelanos – fazem do Estado uma das principais zonas de tráfico no país e um triste objetivo de investigação in loco.

“Hoje, exportamos e importamos, pois a gente tem o tráfico interno, entre municípios, para outras capitais brasileiras, e com a migração temos o internacional. Então, a gente vai debater bastante sobre isso na capacitação”, destacou.

Inscrições

Para participar do evento, é necessário confirmar presença até esta sexta-feira (20) pelos e-mails savia.souza@un.org ou braz.bruna@un.org.

Política pública

O recrutamento, transporte ou alojamento de pessoas, por meio de ameaça ou uso da força para fins de trabalho análogo à escravidão, exploração sexual, remoção de órgãos e adoção ilegal são alguns tipos mais comuns do tráfico de pessoas.

Desde 2016, a Assembleia Legislativa de Roraima instituiu o tema como política pública por meio do Programa de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania, presidido pela deputada Lenir Rodrigues (Cidadania), no Centro de Promoção às Vítimas de Tráfico de Pessoas, que atua em projetos como “Educar é Prevenir”, “Prevenção sem Fronteiras” e “Mira Ellos”.

Além disso, o PDDHC congrega o Centro de Apoio à Pessoa com Deficiência (CAPD), Centro de Apoio e Assuntos Indígenas (CAAI) e o Centro de Incentivo às Mulheres na Política (CIMP).

Canais de denúncia

Para denunciar casos de tráfico de pessoas, contrabando de migrantes e outros crimes semelhantes, disque 100. O serviço funciona 24 horas por dia e é gratuito.

A Central de Atendimento à Mulher pode ser contatada pelo número 180. O serviço presta uma escuta e acolhida qualificadas às mulheres em situação de violência. A Polícia Rodoviária Federal também pode ser acionada, pelo 191.

Leia também:

Livro sobre Boinas Azuis da ONU será lançado no STJ

Postado em 31 de dezembro de 1969

Assembleia Legislativa aprova leis em favor da saúde mental da população roraimense

Postado em 3 de janeiro de 2022

Assembleia Legislativa continua a serviço da população durante recesso parlamentar

Postado em 3 de janeiro de 2022

Centro de Convivência da Juventude da Assembleia Legislativa retoma atividades

Postado em 4 de janeiro de 2022