CANTINHO ESPECIAL

Instituições investem em brinquedotecas para melhor acolher crianças vítimas de violência

No CHAME, esse cuidado com a criança permite que mãe seja ouvida com tranquilidade na Sala de Escuta
Divulgação/Fonte

Compartilhe:

Quando uma mulher é vítima de violência doméstica os traumas se multiplicam e toda a família fica adoecida, necessitando de acompanhamento. Os filhos são os que mais sofrem. Para melhor atender essas mulheres, o CHAME (Centro Humanitário de Apoio à Mulher) criou uma brinquedoteca para acolher as crianças no momento em que as mães estão sendo atendidas pela equipe de multiprofissionais.

Luciane Melo, psicóloga do CHAME, explicou que a finalidade da brinquedoteca é receber as crianças em situação de vulnerabilidade junto com as mães que buscam ajuda na instituição de amparo à mulher violentada. Esse cuidado com a criança permite que a mãe seja ouvida com tranquilidade na Sala de Escuta.

“É um espaço aconchegante, onde a criança estará sob supervisão e monitoramento. Além de ser cuidada, estará sob observação profissionalizada, pois qualquer coisa que as monitoras identificam passam para a equipe multidisciplinar. Essa criança precisa ser amparada porque ela está dentro de um lar abusivo e também é afetada, precisando desse olhar profissionalizado”, disse.

A lógica, conforme detalhou, é de que toda criança fica bem dentro de um ambiente quando o local proporciona interatividade de acordo com a faixa etária. “Tudo aquilo que se faz para chamar a atenção da criança, vai tirá-la daquele foco, dos traumas que vem vivenciando em família. Aqui, ela é acolhida, e, se for identificada alguma coisa, encaminhamos para a Vara da Infância e Juventude”, explicou.

Na mesma lógica está o Núcleo de Proteção da Criança, que mantêm o Espaço Acalento. Segundo a diretora de Polícia Especializada, Elivane Aguiar, o espaço surgiu em 2020 com a campanha de arrecadação de brinquedos.

“Este ano fizemos uma nova campanha de doação de brinquedos e revitalizamos o espaço para receber nossas crianças de forma mais humanizada e acolhedora. Atuamos principalmente na investigação de crimes sexuais e maus-tratos. A ideia é que ela se sinta acolhida antes de ser atendida pela autoridade policial”, afirmou, ao ressaltar que a campanha é permanente e quem quiser doar brinquedo, fique à vontade para deixar no Núcleo de Proteção da Criança.

E o resultado da brinquedoteca em um ambiente policial tem um diferencial, como conta a diretora. “É visível a diferença de deixar uma criança sentada, aguardando numa cadeira, sem ter o que fazer, e deixar a criança aguardando atendimento em um local onde há brinquedos, ideal para a idade dela. Isso a deixa mais à vontade, tranquiliza-a, como se não estivesse em um ambiente policial. Isso é extremamente positivo para os delegados porque, quando ela vai ser ouvida, já está tranquila. Às vezes até leva um brinquedo, o que é permitido”, disse Elivane.

A Juci Alves, cuidadora das crianças na brinquedoteca do CHAME, disse que é preciso estar preparada para receber essas crianças, como, por exemplo, chamá-las pelo nome. “É muito gratificante receber, acolher essas crianças. Elas chegam tão fragilizadas quanto as mães, e precisam de carinho. Às vezes chegam aqui chorando, mas na medida que vamos apresentando os brinquedos eles vão ficando à vontade, mais tranquilas”, contou.

 

Texto: Marilena Freitas

Foto: Jader Souza e divulgação TV Assembleia

SupCom ALE-RR – 21.07.2022

 

Leia também:

Livro sobre Boinas Azuis da ONU será lançado no STJ

Postado em 31 de dezembro de 1969

Assembleia Legislativa aprova leis em favor da saúde mental da população roraimense

Postado em 3 de janeiro de 2022

Assembleia Legislativa continua a serviço da população durante recesso parlamentar

Postado em 3 de janeiro de 2022

Centro de Convivência da Juventude da Assembleia Legislativa retoma atividades

Postado em 4 de janeiro de 2022