LEGALIZAÇÃO

Deputado George Melo volta a defender criação de área para atuação de garimpeiros

Parlamentar também fez um alerta para possível 'guerra' entre garimpeiros e polícia, caso eles sejam retirados das terras indígenas
Foto: Marley Lima

Compartilhe:

Por Suzanne Oliveira

O deputado George Melo (DC) voltou a defender a legalização de uma área para atuação dos garimpeiros em Roraima e alertou as autoridades para um possível “derramamento de sangue” entre eles e a Polícia Federal (PF). O discurso ocorreu durante uso da tribuna na sessão plenária desta terça-feira (31), na Assembleia Legislativa (ALE-RR).

Segundo ele, há informação de que em junho haverá uma operação da PF em terras indígenas. O deputado diz ver essa possibilidade com “extrema preocupação”, já que cerca de 40 mil garimpeiros que fazem parte do movimento “Garimpo Livre” podem, como forma de protesto, fechar a BR-174, uma das principais rodovias de Roraima.

“Há perigo de um derramamento de sangue no nosso Estado, com pais de família que nem sequer foram ouvidos. Quantos e quantos anos essa categoria dos garimpeiros vem sendo criminalizada neste país, especificamente aqui? O povo de Roraima já viveu momentos difíceis, quando tiraram as pessoas das áreas de fazendas, quando tiraram os arrozeiros demarcando terras indígenas. Agora, eles estão com a ideia de tirar 40 mil garimpeiros e deixar o povo voltar para a economia do contracheque”, disse.

O parlamentar pediu que a Casa Legislativa promova um debate sobre a situação dos garimpeiros e questionou o motivo de o Governo Federal não demarcar uma área própria para que a classe atue na legalidade.

“Nós não podemos ver o povo ficar isolado diante de uma ‘guerra’ tão séria. Vamos viver uma ‘guerra civil’ em Roraima, porque a economia vai parar de funcionar, a violência vai crescer e a gente vê o Governo Federal sem tomar uma decisão. Por que não se retira uma área para que esses garimpeiros trabalhem? Não tem por que não acontecer isso. Não é crime. É ilegal, mas está na Constituição o trabalho do garimpeiro. Por que não há um debate com relação a isso e fazem o que foi feito com os quilombolas, os indígenas e demarquem suas terras?”, questionou Melo.

Ao final do discurso, o deputado chamou a atenção das autoridades nacionais afirmando que, caso haja a suposta operação, não terá dúvidas de que haverá um “derramamento de sangue e a culpa será das autoridades que nada fizeram para resolver o problema da categoria”, frisou.

Leia também:

Livro sobre Boinas Azuis da ONU será lançado no STJ

Postado em 31 de dezembro de 1969

Assembleia Legislativa aprova leis em favor da saúde mental da população roraimense

Postado em 3 de janeiro de 2022

Assembleia Legislativa continua a serviço da população durante recesso parlamentar

Postado em 3 de janeiro de 2022

Centro de Convivência da Juventude da Assembleia Legislativa retoma atividades

Postado em 4 de janeiro de 2022