PLANO DE ERRADICAÇÃO

Comissão da ALE-RR discute substituição gradual de vacinação contra febre aftosa

A expectativa é que no segundo semestre de 2023, Roraima deixe de vacinar contra a febre aftosa e passe a realizar a vigilância ativa das propriedades
Foto: Nonato Sousa
Reunião da Comissão de Agric Pecu e Politica Rural da Ale

Compartilhe:

Por Suellen Gurgel

Comissão de Agricultura, Pecuária e Política Rural da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR) se reuniu nesta segunda-feira (18) com a Agência de Defesa Agropecuária do Estado de Roraima (Aderr) e gestores do segmento para a apresentação do Plano Estratégico do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PE PNEFA) do Estado.

Criado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com período de vigência 2017-2026, o Plano nacional cria condições para a substituição gradual da vacinação contra a febre com o intuito de proteger o patrimônio pecuário brasileiro. Das 102 ações traçadas no instrumento, 42 são desenvolvidas por estados e municípios.

Atento à apresentação, que traçou um panorama do controle da doença e também pontuou os gargalos como a falta de concurso público, capacitação profissional, o desenvolvimento sustentável de fundos privados e públicos, plano de mídia e modernização da base legal, o presidente da CAPPR, deputado Gabriel Picanço (Republicanos), colocou à Casa de Leis a serviço do desenvolvimento e das atividades da Aderr.

“A Comissão de Agricultura, Pecuária e Política Rural tem papel fundamental nas leis, então nós vamos aprovar todas as demandas técnicas da Aderr que tiverem a anuência da comissão e dos parlamentares, para isso vamos dialogar e ver o que for melhor para o Estado”, garantiu.

De acordo com o presidente da Aderr, Marcelo Farisi, expectativa é que no segundo semestre de 2023 o Estado deixe de vacinar e passe a realizar a vigilância ativa das propriedades, e o envolvimento do Legislativo torna essa meta mais exequível.

“A gente prevê a retirada para 2023 e essa participação aqui [Assembleia Legislativa], que é um dos componentes desse plano, torna isso mais ágil, pois a Assembleia é muito importante desde o início. Vai desde a aprovação da criação da própria Aderr, além de representar toda a população do Estado. Por isso estamos aqui apresentando o andamento desse trabalho aos representantes do povo”, destacou.

Já para o deputado e membro da comissão, Marcelo Cabral (Cidadania), a erradicação passa por um pacto social. “Para deixar o Estado livre da vacinação, é importante dizer que o trabalho é a quatro mãos, é o Legislativo, o Executivo e o produtor rural, unidos. E o mais importante é a população apoiar”, ponderou.

De acordo com o coordenador do plano estratégico em Roraima, Marcos Duarte, além da redução dos custos dos produtores rurais, a medida avaliza a certificação de sanidade animal concedida pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) que pode se traduzir em futuros investimentos na exportação.

“Num segundo momento, ocorre a certificação da sanidade do rebanho roraimense, já que o que com a substituição pela vigilância o animal é claramente reconhecido como saudável, então essa certificação internacional nos torna aptos a exportar a nossa carne para diversos países que têm nessa certificação uma exigência”, disse.

De maneira remota, o deputado e membro da CAPPR, Odilon Filho (Podemos), participou da reunião. Os parlamentares Chico Mozart (PP), vice-presidente; e Eder Lourinho (PSD) também são integrantes da comissão.

=

Leia também:

Livro sobre Boinas Azuis da ONU será lançado no STJ

Postado em 31 de dezembro de 1969

Assembleia Legislativa aprova leis em favor da saúde mental da população roraimense

Postado em 3 de janeiro de 2022

Assembleia Legislativa continua a serviço da população durante recesso parlamentar

Postado em 3 de janeiro de 2022

Centro de Convivência da Juventude da Assembleia Legislativa retoma atividades

Postado em 4 de janeiro de 2022