‘PERTO DE CASA’

Balé é a modalidade mais procurada no Centro de Convivência da Juventude do Pedra Pintada

Foto: Eduardo Andrade

Compartilhe:

Por Marilena Freitas

Uma das coisas que mais deixam crianças e pais alegres é o fato de aulas serem gratuitas e no bairro

Das seis modalidades ofertadas no Centro de Convivência da Juventude do Polo Pedra Pintada, que atende 250 crianças, o balé é a mais procurada. No total, são sete turmas que atendem crianças e adolescentes, de 4 a 16 anos, com aulas de segunda a sexta-feira.

As alunas do balé dormem e acordam pensando em se tornarem famosas. Eloá Mikaul de Carvalho tem dez anos e diz ser apaixonada pelo balé. “Escolhi essa dança porque é muito interessante e uma profissão muito bonita. Então, treino porque quero ser bailarina”.

Kaory Vitória fala suspirando e se imagina uma princesa rodopiando nos palcos. “O balé é uma profissão e uma dança bem legal para crianças, principalmente para as que estão na mesma faixa de idade que eu. Quero ser uma bailarina bem famosa, por isso também treino em casa. O professor é bem legal, muito educado e ensina bem”, conta Kaory.

Há muito tempo, a aluna Oriana Martinez pediu à mãe para fazer balé, mas as condições da família não permitiam. “Quando uma amida dela contou que aqui havia aula de balé gratuita, então minha mãe me matriculou. Aqui é bem pertinho da minha casa”.

Quem também é só sorrisos é a aluna Maria Helena Correia Fernandes, de 8 anos. “Eu quero ser bailarina para ter o corpo bem bonitinho. Eu já sei fazer abertura e o professor ensinou bastante coisa. Ele é muito bom. O fato de as aulas serem no bairro é ótimo porque eu moro na outra rua, bem pertinho”, comemora.

O professor Célio Magalhães Costa, que tem 22 anos de carreira, contou que em duas semanas de aulas já percebeu que as alunas são comprometidas com a arte do balé. “A troca de experiência tem sido muito legal. É visível nas crianças o sonho de aprender. Durante as aulas, elas ficam alegres e ansiosas”, afirma.

Nesse período, as meninas aprenderam o básico e um pouco da história do balé. “Com o tempo, vamos avançando. Tem sido maravilhoso esse primeiro contato, e é um prazer poder compartilhar o meu conhecimento com essas crianças, que têm o sonho de ser a princesa bailarina”, complementa Célio Costa.

O professor destacou ainda que o objetivo do balé não é apenas aprender a dançar com técnica, mas entender que o corpo fala. “Envolve a emoção, o psicológico, a sociabilidade e a empatia. É uma dança que pode ser feita sozinha, em dupla, trio e em grupo. Esse é o objetivo, socializar a linguagem através dos corpos”.

A coordenadora Suzana França disse que atualmente o Polo Pedra Pintada tem 250 crianças inscritas. “Elas estão distribuídas no balé, capoeira, caratê, futebol de campo e society, e na zumba. Esta última é uma atividade voltada para toda a família. O projeto atende à demanda da comunidade do bairro”.

Os interessados em praticar as modalidades ofertadas devem procurar a sede do polo, localizada na Avenida Diamante, 1.227, munidos dos documentos pessoais.

Texto: Marilena Freitas
Foto: Eduardo Andrade
SupCom ALE-RR
30.08.2022

Leia também:

Livro sobre Boinas Azuis da ONU será lançado no STJ

Postado em 31 de dezembro de 1969

Assembleia Legislativa aprova leis em favor da saúde mental da população roraimense

Postado em 3 de janeiro de 2022

Assembleia Legislativa continua a serviço da população durante recesso parlamentar

Postado em 3 de janeiro de 2022

Centro de Convivência da Juventude da Assembleia Legislativa retoma atividades

Postado em 4 de janeiro de 2022