SOLIDARIEDADE

Assembleia Legislativa promove debates e campanhas sobre benefícios da doação de sangue

Foto: Tiago Orihuela

Compartilhe:

Por Suellen Gurgel

O Hemoraima é o único centro de captação e transporte de sangue e hemocomponentes do Estado. Apesar de a unidade contar com aproximadamente 70 mil pessoas cadastradas e precisar, em média, de 70 doadores por dia, nem a metade deste número tem sido atingida desde a chegada das festas de fim de ano e férias, muitas das quais se estendem até o carnaval.

 

“Janeiro é um período que não entra na programação dos doadores. Infelizmente, iniciamos o ano pensando nos feriados que se aproximam e contamos com a população para reverter essa situação”, alertou a gerente de Captação do Hemoraima, Juliane Uchôa.

 

As doações baixas preocupam, uma vez que sempre há pessoas que sofrem acidentes ou estão internadas por diferentes doenças e necessitam de transfusão de sangue. Os requisitos para doar são simples, como gozar de uma boa saúde, ter entre 16 e 69 anos e pesar mais de 50 quilos. Além disso, Juliane esclarece que qualquer tipagem sanguínea é bem-vinda.

 

“O principal tipo sanguíneo que precisamos é o O negativo, por ser doador universal, mas é bom destacar a necessidade de todas as tipagens para o abastecimento do nosso estoque. Quem teve covid-19, pode doar 30 dias após a cura, e quem tomou a vacina, deve aguardar um prazo de sete dias. Portanto, basta estar com uma boa saúde, bem alimentando e portar um documento oficial com foto para doar”, disse.

 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 1,6% da população brasileira é doadora de sangue, quando o ideal seria pelo menos o dobro. Significa que os hemocentros do país – as unidades responsáveis pela coleta de sangue e transporte para hospitais e centros de saúde – têm estoques críticos, independentemente da sazonalidade anual.

Incentivo à doação

 

Promover o debate e ações alusivas, assim como conferir benefícios e incentivos aos doadores, é o que a Assembleia Legislativa de Roraima tem feito desde a década de 1990 para aumentar os estoques de sangue do Estado.

 

Em consonância com o “Junho Vermelho”, criado pelo Ministério da Saúde (MS) em 2015, que alerta sobre os níveis dos bancos de sangue e estimula a solidariedade, a Lei nº 1.361/19, da deputada estadual Yonny Pedroso (SD), incluiu a campanha no calendário eventos do Estado. Já a Lei nº 1.014/15, elaborada pelo parlamentar Jalser Renier (SD) e o ex-deputado Naldo da Loteria, instituiu 14 de junho como o “Dia Estadual do Doador de Sangue”.

 

Para incentivar que os mais jovens doem, a Lei nº 1548/21, de Neto Loureiro (MDB), cria e concede o selo gratuito “Sangue Amigo” às instituições de ensino superior que organizam campanhas de doação anual ou semestralmente, em parceria com o Hemoraima. Ao aderir ao ato solidário, o estudante tem falta abonada no dia.

 

A promoção de políticas públicas que contribuem para a fidelização dos doadores e têm efeitos práticos na vida das pessoas, inclusive no bolso, também foram pautadas. É o caso da Lei nº 167/1997, da ex-deputada Zenilda Maria Portella, que regulamentou a isenção do pagamento de inscrição em concursos públicos estaduais aos doadores.

 

A Lei nº 1.325/19, de autoria de Jalser Renier (SD) e Neto Loureiro (PMB), confere aos doadores regulares o direito ao pagamento de meia entrada (50% do valor do ingresso) em todos os locais públicos de cultura, esporte e lazer, mantidos pelas entidades e órgãos da administração direta e indireta.

De acordo com a Lei nº 169/97, de autoria do ex-deputado Célio Rodrigues Wanderley. Quem doa e é cadastrado no Hemocentro e nos programas sociais da Secretaria de Estado do Trabalho e Bem-Estar Social (Setrabes), pode ter alguns benefícios sociais, a exemplo de cesta básica, 20 vales-transportes e uma passagem em transporte intermunicipal, de ida e volta, no trecho Boa Vista, para a residência do doador e exames ambulatoriais e hospitalares com prioridade no atendimento.

 

Já para assegurar o controle de qualidade do sangue, hemocomponentes e hemoderivados nas unidades de saúde, a Lei nº 273/2000, de autoria da ex-deputada Suzete Mota, preconiza o cumprimento das normas de saúde e sanitárias, tais como a realização dos testes diagnósticos mínimos e a adequada conservação do sangue e hemocomponentes.

 

A norma mais recente aprovada pela Assembleia Legislativa e sancionada em novembro do ano passado, a Lei nº 1571/21, de Tayla Peres (PRTB), obriga estabelecimentos comerciais que ofereçam serviços de tatuagem permanente, piercing ou maquiagem definitiva a afixarem cartazes de que há impedimento de doação de sangue por determinado período (de 6 a 12 meses), conforme estabelece a Portaria do Ministério da Saúde nº 158/2016.

 

Os avisos também devem ficar visíveis ao público nos postos de saúde, hospitais, bancos de sangue, centros de hemoterapia e outros estabelecimentos assemelhados da rede pública ou privada.

Como doar ao Hemoraima?

 

O Hemoraima coleta sangue de segunda a sexta, das 7h30 às 12h e das 13h30 às 18h, na avenida Brigadeiro Eduardo Gomes, 3418, bairro Aeroporto, Boa Vista. Para estar apto à doação, é necessário seguir os seguintes passos:

 

  • Ter entre 16 e 69 anos (menores de 18 precisam da presença do pai ou da mãe ou responsável legal);
  • Estar alimentado. Evitar alimentos gordurosos nas três horas que antecedem a doação de sangue;
  • Caso seja após o almoço, aguardar duas horas;
  • Ter dormido pelo menos seis horas nas últimas 24 horas;
  • Pessoas com idade entre 60 e 69 anos só poderão doar sangue se já o tiverem feito antes dos 60 anos;
  • A frequência máxima é de quatro doações de sangue anuais para o homem e de três para as mulheres;
  • O intervalo mínimo entre uma doação de sangue e outra é de dois meses para os homens e de três meses para as mulheres.

Leia também:

Livro sobre Boinas Azuis da ONU será lançado no STJ

Postado em 31 de dezembro de 1969

Assembleia Legislativa aprova leis em favor da saúde mental da população roraimense

Postado em 3 de janeiro de 2022

Assembleia Legislativa continua a serviço da população durante recesso parlamentar

Postado em 3 de janeiro de 2022

Centro de Convivência da Juventude da Assembleia Legislativa retoma atividades

Postado em 4 de janeiro de 2022