DIREITOS HUMANOS

Assembleia Legislativa oferece capacitação a jovens indígenas

Foto: Jader Souza

Compartilhe:

Por Suellen Gurgel

Cerca de 60 adolescentes, entre jovens, pais de famílias e agentes de segurança, moradores da Comunidade Malacacheta, no município de Cantá, participam nesta terça (11) e quarta-feira (12) do primeiro módulo do curso de multiplicadores “Exercendo Cidadania nas Comunidades Indígenas”, promovido pelo Programa de Direitos Humanos e Cidadania (PDHC) da Assembleia Legislativa de Roraima.

“A nossa primeira capacitação do ano é diferente, pois é voltada para o jovem indígena. Ela foi requisitada pelas lideranças da Serra da Lua. E os assuntos abordados, como gravidez na adolescência, automutilação e alcoolismo estão de acordo com o que os líderes levantaram e viram de maior necessidade”, explicou, na abertura do evento, a presidente do programa, a parlamentar Lenir Rodrigues (Cidadania).

Jucileia Teixeira, organizadora da capacitação e coordenadora do Centro de Apoio e Assuntos Indígenas (CAAI), vinculado ao PDHC, diz que a ideia é que o conhecimento adquirido seja compartilhado com a comunidade. “Quem participar, poderá passar os ensinamentos dos cursos para outras pessoas das comunidades indígenas e até mesmo nas escolas”, ressaltou.

A população da região tem cerca de 10 mil habitantes distribuídos em 21 comunidades, onde predominam as etnias Wapichana e Macuxi. Para o coordenador da Serra da Lua, Clóvis Ambrósio, ativista da luta indígena desde a década de 1970, a juventude do local cresceu e os hábitos mudaram. Para ele, cursos direcionados são uma forma de garantir o legado e criar formas de se comunicar com a nova geração.

“Faço parte do movimento indígena desde 1974 e vejo que a nova geração aumentou. Mas muitos não querem obedecer aos pais e às orientações das lideranças. Então, esses cursos com a participação do jovem vão ser muito bons para a gente ter mais força na comunidade com relação a orientações, porque antes só nós, velhos, falávamos e eles podiam dizer: ‘esse velho está ficando doido’. Agora, com essa oportunidade, podem conhecer quais direitos têm por meio de outros jovens”, avaliou.

Ciclo de palestras

Uma plateia atenta acompanhou o ciclo de palestras sobre adolescência, gravidez precoce, automutilação, depressão, suicídio, autoconhecimento, direitos e deveres indígenas. A semente multiplicadora da capacitação foi ao encontro das situações vivenciadas, como a falta de educação sexual e planejamento familiar, na Comunidade do Canauanim, onde vive Lilian Cadete da Silva, 15 anos, da etnia Wapichana.

“De todos os temas, gravidez na adolescência foi o que chamou minha atenção, pois no ano passado houve muitos casos na minha comunidade. Muitos deles, envolvendo crianças a partir dos 12 anos. Então, é muito importante para termos mais consciência”, revelou.

Alcineia Pinho é mãe de quatro filhas, com idades entre 13 e 23 anos. Vice-coordenadora da Comunidade do Campinho, da terra indígena Canauanim, ela também destacou a gravidez precoce e o suicídio como problemas de saúde pública enfrentados pelos jovens.

“Como mãe, me preocupo muito e levo essa preocupação para os nossos jovens. Na minha comunidade, como nas outras, a gravidez na juventude é grande. Assim como o suicídio, principalmente na Serra da Lua. Nós tivemos aumento considerável de suicídios de jovens”, lamentou.

As etnias indígenas apresentam costumes, crenças e línguas distintas, contudo independentes da cosmovisão e dos aspectos constitutivos de cada uma. O indígena, inevitavelmente, atravessará o processo de mudança corporal, comportamental e cognitivo da adolescência. Nesse sentido, de acordo com uma das palestrantes, a técnica de enfermagem Naiara Queiroz, as transformações devem ser informadas e discutidas sem tabus, ou seja, é preciso que haja um diálogo franco entre gerações diferentes para minimizar os fatores que põem em risco a passagem para uma vida adulta sadia.

“É importante a participação dos pais e dos adolescentes para eles saberem como tratar e como se comportar com os filhos, porque, às vezes, essa falta de comunicação pode retardar o amadurecendo deles, além de acarretar depressão, levar à automutilação e à gravidez indesejada”, alertou.

Segundo dia

Nesta quarta-feira, último dia de curso, o alcoolismo será o tema central. Serão abordados sintomas, tratamentos, causas e as consequências psicológicas. Após o encerramento do I módulo, os participantes terão direito a certificado gratuito, com carga horária de 16h. Ainda não há data definida para os módulos II e III.

PDHC

Voltado aos direitos humanos das minorias como política pública, o Programa de Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa (PDHC) abarca o Centro de Promoção às Vítimas de Tráfico de Pessoas (CPVTP); o Centro de Apoio à Pessoa com Deficiência (CAPD); Centro de Apoio e Assuntos Indígenas (CAAI) e o Centro de Incentivo às Mulheres na Política (CIMP).

Leia também:

Pesquisa sobre mídia cívica indica ruptura com conceitos tradicionais

Postado em 16 de junho de 2024

Polícia Civil participa de operação nacional de proteção ao Meio Ambiente

Postado em 16 de junho de 2024

TERAPIA E RENDA EXTRA Alunos concluem curso de pintura em tecido na Escolegis do bairro Santa Luzia | ALE-RR

Postado em 15 de junho de 2024

Comissão aprova licença-maternidade de 180 dias para bombeira e policial – Notícias

Postado em 15 de junho de 2024