CAUSA ANIMAL

Assembleia Legislativa declara de utilidade pública associação Radarr

PDL nº 14/2021 foi aprovado por unanimidade; rede de apoio e defesa trabalha de forma contínua, resgatando e cuidando de animais
Divulgação/Fonte

Compartilhe:

Por SupCom/ ALE-RR

Durante a sessão plenária desta terça-feira (12), foi aprovado por unanimidade o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) nº 14/2021, de autoria da deputada Angela Águida Portella (PP), que declara de utilidade pública a Rede de Apoio e Defesa dos Animais de Roraima (Radarr). A medida facilitará o acesso a recursos para elaboração de políticas públicas que garantam direitos previstos na Constituição Federal.

“A legislação compreende os direitos dos animais, mas poucas pessoas têm essa sensibilidade e fazem algo em prol dos animais abandonados. Agora, com aprovação do PDL, a Radarr vai ter uma visibilidade maior, além de estar apta a receber recursos públicos, porque um trabalho de acolhimento, de proteção, abrigo, saúde, feito para cães, gatos, cavalos, enfim, demanda um gasto muito grande”, destacou a deputada.

Ela lembrou da campanha “Abril Laranja”, que tem o objetivo de reforçar a prevenção e o combate aos maus-tratos de animais e parabenizou as instituições voltadas à causa em Roraima.

“Estamos no mês de prevenção à crueldade contra os animais e calhou de, exatamente nesta data, aprovarmos esse reconhecimento. Além da Radarr, nós temos a Arca, a Yawara e pessoas que fazem um trabalho voluntário no Estado”, ressaltou.

O presidente da Comissão de Defesa e Proteção aos Direitos dos Animais, deputado Chico Mozart (PP) parabenizou a deputada pela proposta e saudou todos os protetores e representantes das ONGs (organizações não governamentais) que trabalham em prol da causa animal.

“As pessoas procuram as ONGs em caso de maus-tratos e são elas que fazem toda a diferença. Nada mais justo receber esse reconhecimento”, disse.

A Radarr, uma associação sem fins lucrativos, que trabalha de forma contínua resgatando e cuidando de animais de rua vulneráveis ou vítimas de maus-tratos, foi fundada em 2016 e tem sede em Boa Vista. Para a fundadora, Palmira Leão, o momento é de reconhecimento e gratidão.

“Nós estamos muito à vontade para receber esse título porque temos a consciência do trabalho que realizamos, feito com muito amor, carinho e sacrifício”, destacou.

Leia também:

Livro sobre Boinas Azuis da ONU será lançado no STJ

Postado em 31 de dezembro de 1969

Assembleia Legislativa aprova leis em favor da saúde mental da população roraimense

Postado em 3 de janeiro de 2022

Assembleia Legislativa continua a serviço da população durante recesso parlamentar

Postado em 3 de janeiro de 2022

Centro de Convivência da Juventude da Assembleia Legislativa retoma atividades

Postado em 4 de janeiro de 2022